Cessar-fogo não vale para toda a Ucrânia; entenda

Como a guerra pode acabar? Especialistas analisam

Rússia anuncia 'cessar-fogo parcial' para permitir corredores humanitários; governo local diz que ataques continuam e adia retirada de moradores

As primeiras - e por enquanto únicas - regiões a serem beneficiadas com rotas humanitárias serão as das cidades de Mariupol e Volnovakha. Cessar-fogo permitirá que civis deixem a cidade de Mariupol durante um período de cinco horas, segundo a RIA, agência russa de notícias.

Por g1

05/03/2022 04h18  Atualizado há uma hora


Refugiados ucranianos empurram portão na fronteira para entrar na Polônia — Foto: Reuters

Refugiados ucranianos empurram portão na fronteira para entrar na Polônia — Foto: Reuters

Rússia declarou um "cessar-fogo parcial" de 5 horas, e disse que seu Exército pararia ataques "localizados" neste sábado. Duas regiões seriam beneficiadas inicialmente: Mariupol e Volnovakha,a ambas no leste ucraniano.

No entanto, logo em seguida chegou a informação de que a retirada dos habitantes de Mariupol, porto estratégico ucraniano cercado pelas forças russas, foi adiada devido a múltiplas violações russas do cessar-fogo, segundo acusou a prefeitura da cidade neste sábado.

A retirada de civis, que deveria começar antes do meio-dia (horário local), "foi adiada por razões de segurança" porque as forças russas "continuam bombardeando Mariupol e seus arredores", afirmou a prefeitura no aplicativo Telegram.

Segundo a RIA, agência russa de notícias, civis poderiam deixar Mariupol e suprimentos e medicamentos poderiam chegar à cidade durante esse período de cinco horas.

Rússia deixou claro que a redução na ofensiva não vale para todo o território ucraniano.

O prefeito de Mariupol disse que um cessar-fogo permitiria que o trabalho seja feito para restaurar a infraestrutura destruída pelos bombardeios.

O conselho de Mariupol disse que os civis poderiam seguir em direção à cidade de Zaporizhzhia e usar rotas de ônibus especialmente organizadas, bem como seus próprios carros.

Pouco depois, o conselho da cidade de Mariupol disse que a Rússia não está respeitando a trégua ao longo de todo o corredor humanitário.

Segundo a agência Reuters, o governo ucraniano diz que o plano é tirar cerca de 200 mil pessoas de Mariupol e 15 mil de Volnovakha. A Cruz Vermelha está monitorando esse cessar-fogo.

 

O prefeito de Mariupol afirmou que a cidade, que em um período normal tem 450 mil habitantes, está submetida a um "bloqueio", sem energia elétrica, alimentos, água, gás e transportes. As forças separatistas pró-Rússia e o exército de Moscou anunciaram que a cidade está cercada.

 

Depois que o Ministério da Defesa russo declarou o cessar-fogo, a prefeitura da cidade portuária anunciou que a evacuação começaria às 6h (hora de Brasília).

 

"Não é uma decisão fácil. Mariupol não são as casas e ruas. Mariupol somos nós e vocês", afirmou o prefeito no Telegram.

 

Mapa mostra cidades beneficiadas por cessar-fogo — Foto: g1

Mapa mostra cidades beneficiadas por cessar-fogo — Foto: g1

O controle de Mariupol tem caráter estratégico para a Rússia, porque permitiria garantir uma continuidade territorial entre suas forças procedentes da península da Crimeia e as unidades dos territórios separatistas pró-Moscou da região ucraniana de Donbass.

Correspondentes da agência AFP que visitaram a cidade neste sábado viram cenas de destruição, apesar da insistência do presidente russo Vladimir Putin de que suas forças não atacam áreas residenciais.

 

Neve para obter água

 

Russos avançam para fechar acesso da Ucrânia ao mar

 

 

 

--:--/--:--

 

Russos avançam para fechar acesso da Ucrânia ao mar

Um funcionário da ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF) que está refugiado em Mariupol com sua família afirmou que eles coletaram "neve e água da chuva" para utilizar diante da impossibilidade de conseguir água devido às longas filas nos locais de distribuição.

"Queríamos conseguir também o pão 'social' (distribuído pelas autoridades locais), mas o horário e os pontos de distribuição não estavam claros. Segundo a população, muitos armazéns foram destruídos pelos mísseis e o que sobrou foi levado pelas pessoas mais necessitadas", disse.

 

Kiev

 

As tropas russas se aproximam ao mesmo tempo da capital Kiev, onde encontram uma intensa resistência, e bombardeiam bairros dos subúrbios ao oeste da capital ucraniana. A cidade de Chernihiv, ao norte, também é alvo de bombardeios constantes, que deixaram muitas vítimas civis nos últimos dias.

O ministro ucraniano da Defesa, Oleksiy Reznikov, afirmou neste sábado que a Rússia mudou de tática ao observar a dura resistência que parou seu plano de conquistar rapidamente as grandes cidades e derrubar o governo do presidente Volodymyr Zelensky.

 

"Sim, o inimigo avançou em algumas direções, mas controla apenas uma pequena área. Nossos defensores estão impedindo e expulsando os ocupantes", afirmou no Facebook.

 

"Aviação de todo tipo bombardeia cidades e infraestruturas civis", acrescentou, antes de acusar o exército russo de "covardia" e de ter capacidade apenas de atacar "crianças, mulheres, civis desarmados".

Desde que o presidente Vladimir Putin ordenou a invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro, a Rússia bombardeou várias cidades da Ucrânia e matou centenas de civis. Também atacou a maior central nuclear da Europa, provocando um incêndio que gerou o temor de uma nova catástrofe nuclear como a de Chernobyl em 1986.

As tropas russas conquistaram o controle de duas cidades importantes em 10 dias de invasão: Berdiansk e Kherson, na costa do Mar Negro, sul da Ucrânia.

 

Ataque a usina nuclear

 

O presidente Zelensky afirmou que o ataque contra a central nuclear de Zaporizhzhia "poderia acabar com a História. A história da Ucrânia. A história da Europa".

"Os comandantes dos tanques russos sabiam contra o que estavam disparando", disse Zelensky, que deve discursar neste sábado para o Senado dos Estados Unidos por internet, a pedido de Kiev, informou uma fonte do Legislativo de Washington.

A embaixadora americana na ONU, Linda Thomas-Greenfield, afirmou que o ataque foi "incrivelmente perigoso". Mas o embaixador russo nas Nações Unidas, Vassily Nebenzya, classificou a acusação de que seu país bombardeou a central como parte de "uma campanha de mentiras sem precedentes".

 

Alguns congressistas americanos pediram ao presidente Joe Biden que adote uma postura mais severa contra a Rússia, incluindo a suspensão das importações de petróleo.

 

A Otan descartou a aplicação de uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia pelo temor de provocar outro conflito com a Rússia.

Zelensky criticou duramente a decisão e afirmou que, assim, a Aliança Atlântica "deu luz verde a mais bombardeios das cidades ucranianas".

Os temores de uma escalada militar com uma potência nuclear levaram Washington e Moscou a estabelecer uma linha direta entre suas Forças Armadas para reduzir o risco de um "mal-entendido".

 

Bloqueio do Facebook

 

Putin, no entanto, não parece afetado pelo isolamento econômico, esportivo e cultural da Rússia.

Segundo o Kremlin, Putin disse ao colega belarusso Aleksander Lukashenko que "as tarefas fixadas para as operações (na Ucrânia) prosseguem de acordo com os planos e serão cumpridas em sua totalidade".

As autoridades russas adotaram uma censura de informações e dois meios de comunicação liberais interromperam as operações.

Vários sites de notícias, incluindo a BBC, estão parcialmente inacessíveis na Rússia, ao mesmo tempo que o Twitter enfrenta restrições e o Facebook foi bloqueado.

 

BBC e Bloomberg anunciaram a suspensão de sua presença na Rússia depois que Moscou aprovou uma lei que impõe multas e penas de até 15 anos de prisão para quem publicar "notícias falsas" sobre o exército.

 

A CNN afirmou que suspenderia as transmissões na Rússia, enquanto o jornal independente russo Novaya Gazeta anunciou que removeria o conteúdo sobre a Ucrânia após a aprovação da nova lei.

 

Investigação

 

Os procuradores do Tribunal Penal Internacional (TPI) investigam possíveis crimes de guerra cometidos no bombardeio da cidade ucraniana de Kharkiv.

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, exigiu a formação de um tribunal especial para os "vários casos de, lamentavelmente, estupros de mulheres em cidades ucranianas por soldados russos".

O Conselho de Direitos Humanos da ONU aprovou uma investigação de alto nível das violações cometidas na invasão.

"A mensagem a Putin é clara: está isolado a nível mundial, o mundo inteiro está contra você", afirmou a embaixadora ucraniana no Conselho, Yevhenia Filipenko.

A ONU afirma que mais de 1,2 milhão de refugiados saíram da Ucrânia desde 24 de fevereiro.

A organização também alertou para uma crise alimentar na Ucrânia e aumento da insegurança no mundo, pois Rússia e a Ucrânia são responsáveis por 29% do trigo consumido globalmente.

 

fonte: G1

Comentários